realidade

aqueles acasos da vida.

 

nós nos conhecemos em uma época meio louca, mas muito boa. eu tinha acabado de voltar de curitiba e tinha saído da fase “odeio porto alegre e quero voltar pra curitiba agora” e ido direto pra fase “eu amo essa cidade, amo meus amigos, meu deus como não vi isso tudo antes?”. então durante a semana eu ia tomar café pelos cafés do bom fim, sucos na lancheria do parque, fazia caminhadas fotográficas  pelos bairros próximos e nos finais de semana eu ia pra mesma casa noturna encontrar todo mundo, toda sexta-feira e sábado, sagrados. ás vezes a gente ia pra casa de alguém antes se arrumar e beber um pouco, ás vezes era aqui em casa mesmo, ás vezes em algum bar, ás vezes a gente se encontrava lá mesmo… na volta quase sempre voltávamos juntos a pé até a primeira padaria aberta pra tomarmos café da manhã juntos e na maioria das vezes alguém dormia na minha casa, ou ao menos me trazia até em casa. mas também tinham as vezes que eu saia de casa sozinha, pegava um taxi, não marcava com ninguém, chegava na tal casa noturna e encontrava todo mundo ou algumas poucas pessoas. foram raras as vezes que não encontrei nenhum conhecido na pista, porém, essas foram as mais divertidas. como eu era amiga de todo staff da casa, dos donos aos seguranças, sempre preferia ficar sentada no bar ou perto da cabine dos djs. 

lembro que essa era a semana do carnaval e a cidade ficou vazia, eu tava sentada no bar e do nada comecei a conversar com um menino sobre um assunto qualquer. um tempo depois, minha amiga chegou e perguntou da onde a gente se conhecia e nos apresentou. ele era um amigo dela de outro estado que tinha vindo morar aqui. nunca mais na vida consegui chamar o menino pelo nome dele depois que ela me contou esse fato. a gente saiu da festa cantando, conversando, pulando e já combinamos mais outras. muitas outras. e assim foi… nos conhecemos aquele dia e inexplicavelmente surgiu uma conexão tão forte que a gente não se separou mais. até que a vida nos separou. minhas aulas começaram, o trabalho começou, o tempo acabou e foi cada um para um lado. um dia caminhando de noite pela cidade, encontrei o dani sentado em um bar com uma amiga. ele insistiu pra eu sentar junto e insistiu pra que eu saísse com eles. tive que ir na casa dele buscar uma camiseta dele emprestada e deixar a minha lá, já que eu só tinha saído pra caminhar… depois disso, o dani foi morar um tempo fora e dar um up na carreira. virou alguém importante e a gente parou de se falar de novo, mas o facebook tava sempre ali. um dia a gente se encontrou numa festa do cinema. quer dizer, ele me encontrou. e eu nem sei explicar a sensação de receber o abraço dele. mas de novo, o dani ia ir viajar pra outro país por um tempo e dessa vez nem sabia quando ia voltar e eu… bom, eu ainda precisava acabar a faculdade, então ia ficar por aqui mesmo. hoje me deu saudade do dani e eu deixei um recado pra ele resmungando sobre minha saudade. a surpresa foi que ele respondeu na hora que então era pra gente marcar algo, porque ele voltou a morar aqui e melhor ainda, pertinho da minha casa. 

Padrão